quarta-feira, 9 de março de 2011

Esgotado o tempo da penitência, todo arrependimento será inútil

À entrada dos quarenta dias consagrados à penitência, a Igreja assume a voz severa dos profetas, para nos exortar à renovação na graça de Deus. Felizes as almas que respondem ao solene convite; pois aproxima-se a data em que a trombeta do arcanjo anunciará o fim das provações terrestres. Ter-se-á, então, esgotado o tempo da penitência, todo arrependimento será inútil. Façamos agora sem dilação o que, no último dia, desejaríamos ter feito. "Agora é a ocasião, propícia, diz o apóstolo, dias de graça e de salvação". Roguemos a Deus que em nós excite o arrependimento de nossas faltas e que nos conceda um coração contrito e humilde.

A penitência não consiste unicamente em abstinências e mortificações corporais; visa sobretudo o coração, a vontade e a conduta. Fazer penitência é afastar nosso amor de toda afeição viciosa, para amar puramente a Deus; é renunciar a todas as satisfações passageiras, para obedecer filialmente à vontade de Deus; é reformar as imperfeições de nossa conduta, para viver santamente segundo a lei de Deus; em suma, fazer penitência é trabalhar para a destruição do homem caduco, para auxiliar a ressurreição do homem novo. Mas o espírito de penitência não poderia reanimar os que julgam justos e virtuosos, mas tão somente àqueles que a título de pecadores, imploram a misericórdia do Senhor. Sirvamo-nos das palavras de Davi para pedir a Deus o espírito de penitência e se não podemos empregar austeridades voluntárias para nos castigarmos, ao menos aceitemos de bom grado as aflições, trabalhos, acidentes e sacrifícios que a Providência nos impõe.

Migalhas evangélicas, pelo Pe. Teodoro Ratisbonne, editora Vozes, 1941

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...