sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Quando se agita a nau vaticana de Pedro, quando tudo se vai a desmoronar e já pereceu de todo a esperança humana...


“Fulgurante de luz, Bento de Núrcia, glória da Itália e de toda a Igreja, resplandece como astro na cerração da noite. Quem pacientemente estudar a sua gloriosa vida e adentrar, à luz da história, o tempestuoso tempo em que viveu, há de sentir, indubitavelmente, a realidade da promessa que o Senhor deixou aos apóstolos e a sociedade que fundara: "Estarei convosco, todos os dias, até a consumação dos tempos" (Mt 27,20). Sentença e promessa que jamais perderá, por certo, a sua atualidade, porque se envolve no curso dos séculos, que a divina Providência governa e encaminha. Com efeito, quando são mais audazes e agressivos os inimigos da religião e mais temerosos os baixios em que se agita a nau vaticana de Pedro, quando tudo, finalmente, se vai, a desmoronar, e já pereceu de todo a esperança humana, então, precisamente, o amigo que não falta, o divino consolador, dispensador dos tesouros celestiais, Jesus Cristo, aparece para reconstituir as fileiras abaladas, com novos contingentes de atletas, que saiam a defender em campo a república cristã, que a reintegrem como antigamente e que, se puder ser, com o auxílio da graça, a enriqueçam de novas conquistas.” 

(TRECHO DA CARTA ENCÍCLICA DO PAPA PIO XII FULGENS RADIATUR SOBRE O XIV CENTENÁRIO DA MORTE DE SÃO BENTO, PATRIARCA DOS MONGES DO OCIDENTE)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...