domingo, 18 de janeiro de 2015

Os pobres de espírito (CATENA ÁUREA)

“Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus ” (Mt 5,3)

SANTO AGOSTINHO

A presunção de espírito representa o orgulho e a soberba. Costuma-se dizer, com toda propriedade, que os orgulhosos
tem um espírito grande porque o espírito é chamado de vento. Quem desconhece que dos orgulhosos se dizem inflados
como se estivessem cheios de vento? Portanto, aqui se entende por pobres de espírito os pobres que temem a Deus, isto é, aqueles que não tem o espírito inchado.

CRISÓSTOMO (Pseudo)

É o que diz claramente: “Bem aventurados os pobres de espírito” para manifestar assim que são mendigos os que sempre escutam a Deus. No texto grego diz: “Bem-aventurados os mendigos e os pobres”. Há muitas pessoas que só são
humildes por natureza, não pela fé, porque eles não imploram a ajuda de Deus . Porém, verdadeiramente humildes, são apenas aqueles que o são pela fé.

SÃO JOÃO CRISÓSTOMO

Os pobres de espírito também podem ser aqueles que temem e tremem diante dos mandamentos de Deus, como o próprio Deus diz através de Isaías. O que mais pode ser simplesmente
humilde? Pode ser humilde aqui certamente o simples, mas pode ser que aquele que tenha alguma abundância também o seja.

SANTO AGOSTINHO

Os soberbos almejam as coisas da terra, mas o Reino dos Céus é dos humildes.

CRISÓSTOMO (Pseudo)

Assim como todos os vícios conduzem ao inferno, especialmente a soberba, assim todas as virtudes
conduzem ao céu, especialmente a humildade, porque é muito natural que seja exaltado o que se humilha.

SÃO JERÔNIMO

Bem aventurados os pobres de espírito, isto é, os que por obra do Espírito Santo se fazem pobres voluntariamente.

SANTO AMBRÓSIO

Aqui começa a bem aventurança no julgamento de Deus, que é
considerada a prostração humana.

Glosa


Aos pobres se oferecem oportunamente na vida presente as riquezas do céu.

(São Tomás de Aquino, na Catena Áurea)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...