Método curto e devoto para assistir com fruto à Santa Missa




por São Leonardo de Porto Maurício, no livro AS EXCELÊNCIAS DA SANTA MISSA

Era opinião de São João Crisóstomo, opinião aprovada e confirmada por Gregório, no quarto de seus Diálogos, que, no momento em que o padre celebra a Missa, os céus se abrem, e multidões de Anjos descem do Paraíso para assistir ao santo Sacrifício. São Nilo abade, discípulo do mesmo São Crisóstomo, afirma que via, quando este santo doutor celebrava, uma grande multidão daqueles espíritos celestes assistindo os ministros sagrados em suas augustas funções.

Eis o meio mais adequado para assistir com fruto à Santa Missa: consiste em irdes à Igreja como se fôsseis ao Calvário, e de vos comportardes, diante do altar, como o faríeis diante do trono de DEUS, em companhia dos Santos Anjos. Vede, por conseguinte, que modéstia, que respeito, que recolhimento são necessários para receber o fruto e as graças que DEUS costuma conceder àqueles que honram, com sua piedosa atitude, mistérios tão santos.

Entre os hebreus, enquanto se celebravam os sacrifícios da antiga Lei, nos quais se ofereciam apenas touros, cordeiros e outros animais, era coisa digna de admiração ver com quanto recolhimento, modéstia e silêncio o povo todo acompanhava. E, se bem que o número de assistentes fosse incalculável, além dos setecentos ministros que sacrificavam, parecia, no entanto, que o templo estava vazio, pois não se ouvia o menor ruído, nem um sopro. Ora, se havia tanto respeito e veneração por esses sacrifícios que afinal, não eram mais que uma sombra e figura do nosso, que silêncio, que atenção, que devoção não merece a Santa Missa, na qual o próprio Cordeiro Imaculado, o Verbo de DEUS, se imola por nós?!

Bem o compreendia Santo Ambrósio. No testemunho de Cesário, quando ele celebrava a Santa Missa, após o Evangelho virava-se para o povo e o exortava a um piedoso recolhimento e impunha a todos guardar o mais rigoroso silêncio, não só proibindo a menor palavra, mas ainda abstendo-se de fazer qualquer ruído. E era obedecido. Quem quer que assistisse à Santa Missa do santo Bispo, sentia-se tomado de profundo respeito e comovido até ao fundo da alma, tirando assim grande proveito e acréscimo de graças.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Arquivo do Blog

Baixe grátis meu livro A CONVERSÃO DO POETA, seu presente pelos 10 anos do blog ARENA DA TEOLOGIA

Estando próximo de completarmos 10 anos do nosso blog ARENA DA TEOLOGIA, estamos presenteando a você que é nosso leitor com o meu mais ...

Assine o Arena da Teologia

Assine o Arena da Teologia
Receba conteúdo exclusivo por e-mail. Blog essencialmente de teologia católica abordando questões necessárias e urgentes aos tempos atuais.

Postagens mais acessadas

Adquira o livro do editor do blog

Adquira o livro do editor do blog
Nesta obra é apresentado um panorama montado a partir da visão dos católicos ditos tradicionalistas, aqueles que fizeram e fazem resistência às mudanças que desfiguraram a Igreja Católica a partir do Concílio Vaticano II. Episódios pouco conhecidos dos católicos são trazidos à tona, bem como se tenta desvendar os reais motivos para a realização de uma reforma na celebração da Santa Missa, algo tido como acontecimento improvável para o mundo católico após a promulgação da Bula Quo Primum Tempore, um documento do Papa São Pio V que, em 1570, tornava definitiva a forma com a qual se deveria celebrar a Santa Missa a partir de então.

Fale direto com o editor:

  • claudiomarfilho@gmail.com

Total de visualizações

Editor do Blog:

Editor do Blog:
Claudiomar Ferreira de Medeiros Filho

PADROEIRO DESTE BLOG

PADROEIRO DESTE BLOG
São Tomás de Aquino