Tal qual a sentença de Judas

Pelo Padre Manoel José Gonçalves Couto, no livro "Missão Abreviada".

Judas, vindo por capitão dos que vinham prender a Jesus Cristo, chegou-se ao Senhor, e lhe disse: "Deus te salve, Mestre"; e abraçando-o, lhe deu um beijo de falsa paz em seu divino rosto. E o divino Jesus lhe respondeu: "Amigo, a que vieste?"

Judas na verdade fez o que quis, entregou a Jesus Cristo. Porém depois qual foi o seu destino? Bem o sabeis. Foi arrepender-se, desesperar, enforcar-se, e finalmente cair no inferno! Pois o mesmo tem de acontecer aos pecadores que se não querem emendar. Eles agora vão fazendo o que querem. Vão seguindo à rédea solta as suas paixões desordenadas. Não olham a Deus, nem aos seus preceitos. Nem lhes importa a eternidade. São como as criaturas irracionais que não tratam do Céu nem do inferno, mas depois qual será o seu destino?

Será tal como o de Judas, porque se portam como Judas... Quando Judas entregou a Jesus Cristo no horto, o Senhor lhe disse: "A que vieste?" Pois o mesmo há de dizer a essas almas pecadoras, quando sem veste nupcial da divina graça elas quiserem entrar lá no Reino dos Céus... A que vindes? Que pretendes deste Reino? Em que empregastes o vosso tempo? A quem servistes vós? Não foi às paixões, ao mundo e ao demônio? Pois então sois do demônio, não é aqui o vosso lugar. Apartai-vos já de mim. Ide com o demônio para o fogo eterno!!

Que responderás, pecador, quando Jesus te disser: Eu criei-te à minha imagem e semelhança. Eu dei-te a luz da fé, e fiz-te cristão. Eu remi-te com o meu próprio sangue. Por ti jejuei, trabalhei, caminhei, e suei gotas de sangue. Por ti sofri muitas perseguições, e muitos açoites. Levei muitas bofetadas, ouvi muitas blasfêmias, e sujeitei-me aos maiores tormentos. Esta cruz e estes cravos que aqui aparecem, são testemunhos. Estas chagas de mãos e pés, que no meu corpo observas, são testemunhos. São testemunhos o Céu e a terra, diante de quem padeci. Portanto, que queixas tiveste de mim para me deixares, e seguir o demônio?...

Eu chamei-te muitas vezes pelas vozes dos meus Ministros, e tu não me quiseste ouvir. Eu bati muitas vezes às portas do teu coração, e tu não me quiseste abri-las. Estendi muitas vezes as minhas mãos para te abraçar, e tu não quiseste olhar para elas. Tu desprezaste as minhas promessas e ameaças. Obedeceste sempre ao demônio. Pois então vai já com o demônio para o fogo eterno!!

E qual de vós, meus irmãos, terá esta sentença? Pois há de ser aquele que fizer como Judas. Aquele que vender a alma ao demônio pelo pecado mortal, e com tempo não reformar a sua vida. Portanto, preparai-vos, porque não sabeis o dia nem a hora em que sereis chamados a contas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Baixe grátis meu livro A CONVERSÃO DO POETA, seu presente pelos 10 anos do blog ARENA DA TEOLOGIA

Estando próximo de completarmos 10 anos do nosso blog ARENA DA TEOLOGIA, estamos presenteando a você que é nosso leitor com o meu mais ...

Assine o Arena da Teologia

Assine o Arena da Teologia
Receba conteúdo exclusivo por e-mail. Blog essencialmente de teologia católica abordando questões necessárias e urgentes aos tempos atuais.

Postagens mais acessadas

Adquira o livro do editor do blog

Adquira o livro do editor do blog
Nesta obra é apresentado um panorama montado a partir da visão dos católicos ditos tradicionalistas, aqueles que fizeram e fazem resistência às mudanças que desfiguraram a Igreja Católica a partir do Concílio Vaticano II. Episódios pouco conhecidos dos católicos são trazidos à tona, bem como se tenta desvendar os reais motivos para a realização de uma reforma na celebração da Santa Missa, algo tido como acontecimento improvável para o mundo católico após a promulgação da Bula Quo Primum Tempore, um documento do Papa São Pio V que, em 1570, tornava definitiva a forma com a qual se deveria celebrar a Santa Missa a partir de então.

Fale direto com o editor:

  • claudiomarfilho@gmail.com

Total de visualizações

Editor do Blog:

Editor do Blog:
Claudiomar Ferreira de Medeiros Filho

PADROEIRO DESTE BLOG

PADROEIRO DESTE BLOG
São Tomás de Aquino